O potencial de uma criança não deve ser limitado pelo seu contexto.

Já em Setembro a Primeira Geração Teach For Portugal vai entrar nas escolas do Norte do país.

 

O movimento já começou.

 

Dia 17 de setembro vamos celebrar!

 

Cada criança nasce com um enorme potencial. No entanto, muitas não têm acesso à educação, ao apoio e às oportunidade que merecem. A origem socioeconómica de um criança é um fator determinante no desempenho seu académico, nas suas escolhas e nas suas oportunidades futuras a nível pessoal e profissional. A proporção de baixos resultados entre estudantes de contextos desfavorecidos é significativamente maior do que entre seus colegas mais privilegiados. Tendo Portugal uma elevada taxa de retenção (a 3ª mais elevada na União Europeia), esta taxa é de 52% nos alunos de comunidades desfavorecidas, valor que é inferior a 9% nos alunos de comunidades favorecidas. Por outro lado, o percurso escolar de uma criança está largamente dependente do nível de escolarização da sua mãe, perpetuando o problema.

 

A incapacidade de garantir a igualdade de oportunidades a todas as crianças independentemente da sua origem socioeconómica cria na sociedade barreiras que dificultam a mobilidade e a inclusão social. Quando milhares de crianças não têm oportunidade de se desenvolver, isso afeta-nos a todos. A pobreza perpetua-se, a sociedade mantém-se dividida e a economia enfraquece.

 

Como é que vamos garantir que todas as crianças têm a oportunidade de realizar o seu potencial? Este painel irá abordar estas e outras questões sobre o futuro da nossa educação, as necessidades e as soluções mais inovadoras.

JUNTA-TE A NÓS!

INSCREVE-TE AQUI

O potencial de uma criança não deve ser limitado pelo seu contexto.

Já em Setembro a Primeira Geração Teach For Portugal vai entrar nas escolas do Norte do país.

 

O movimento já começou.

 

Dia 17 de setembro vamos celebrar!

 

Cada criança nasce com um enorme potencial. No entanto, muitas não têm acesso à educação, ao apoio e às oportunidade que merecem. A origem socioeconómica de um criança é um fator determinante no desempenho seu académico, nas suas escolhas e nas suas oportunidades futuras a nível pessoal e profissional. A proporção de baixos resultados entre estudantes de contextos desfavorecidos é significativamente maior do que entre seus colegas mais privilegiados. Tendo Portugal uma elevada taxa de retenção (a 3ª mais elevada na União Europeia), esta taxa é de 52% nos alunos de comunidades desfavorecidas, valor que é inferior a 9% nos alunos de comunidades favorecidas. Por outro lado, o percurso escolar de uma criança está largamente dependente do nível de escolarização da sua mãe, perpetuando o problema.

 

A incapacidade de garantir a igualdade de oportunidades a todas as crianças independentemente da sua origem socioeconómica cria na sociedade barreiras que dificultam a mobilidade e a inclusão social. Quando milhares de crianças não têm oportunidade de se desenvolver, isso afeta-nos a todos. A pobreza perpetua-se, a sociedade mantém-se dividida e a economia enfraquece.

 

Como é que vamos garantir que todas as crianças têm a oportunidade de realizar o seu potencial? Este painel irá abordar estas e outras questões sobre o futuro da nossa educação, as necessidades e as soluções mais inovadoras.

JUNTA-TE A NÓS!

INSCREVE-TE AQUI

O potencial de uma criança não deve ser limitado pelo seu contexto.

Já em Setembro a Primeira Geração Teach For Portugal vai entrar nas escolas do Norte do país.

 

O movimento já começou.

 

Dia 17 de setembro

vamos celebrar!

 

Cada criança nasce com um enorme potencial. No entanto, muitas não têm acesso à educação, ao apoio e às oportunidade que merecem. A origem socioeconómica de um criança é um fator determinante no desempenho seu académico, nas suas escolhas e nas suas oportunidades futuras a nível pessoal e profissional. A proporção de baixos resultados entre estudantes de contextos desfavorecidos é significativamente maior do que entre seus colegas mais privilegiados. Tendo Portugal uma elevada taxa de retenção (a 3ª mais elevada na União Europeia), esta taxa é de 52% nos alunos de comunidades desfavorecidas, valor que é inferior a 9% nos alunos de comunidades favorecidas. Por outro lado, o percurso escolar de uma criança está largamente dependente do nível de escolarização da sua mãe, perpetuando o problema.

 

A incapacidade de garantir a igualdade de oportunidades a todas as crianças independentemente da sua origem socioeconómica cria na sociedade barreiras que dificultam a mobilidade e a inclusão social. Quando milhares de crianças não têm oportunidade de se desenvolver, isso afeta-nos a todos. A pobreza perpetua-se, a sociedade mantém-se dividida e a economia enfraquece.

 

Como é que vamos garantir que todas as crianças têm a oportunidade de realizar o seu potencial? Este painel irá abordar estas e outras questões sobre o futuro da nossa educação, as necessidades e as soluções mais inovadoras.

JUNTA-TE A NÓS!

INSCREVE-TE AQUI